18 de dez de 2013

tardio, porém viçoso

a revista tradterm, da usp, publicou em seu último número, v. 22/1 (2013), meu artigo "tardio, porém viçoso: poe contista no brasil", reunindo a trajetória da poeana em prosa traduzida e publicada em livro entre nós. o artigo está disponível aqui.

30 de ago de 2013

von kempelen: uma retificação

segue uma retificação importante, que devo ao pesquisador rodrigo cardoso, a quem agradeço a gentileza.

afirmei anteriormente que "von kempelen and his discovery", o último conto que poe publicou em vida, era inédito entre nós e anunciei minha tradução desse conto - publicada em (n.t.) revista literária em tradução, aqui - como a primeira no brasil.

errado.

o conto foi publicado em 1944, na monumental edição da globo, de título não exatamente muito preciso de poesia e prosa/ obras completas, em tradução de milton amado e oscar mendes, incluído no terceiro volume entre os ensaios.

feita a correção, gostaria de, primeiro, justificar meu erro e, segundo, aventar uma provável necessidade.

I.
disponho da edição de 1986 pela nova aguilar, que afirma ter o mesmo conteúdo (embora revisto e em nova organização) da edição da globo de 1944. porém o conto "von kempelen" não consta, nem entre a ficção nem entre os ensaios. daí ter eu concluído que "von kempelen and his discovery" era inédito entre nós.


minhas desculpas pela informação errônea. fica a lição: por mais fidedigna que possa parecer uma fonte, é sempre preciso corroborá-la com outra.

II.
em vista dessa constatação - a saber, que o conteúdo da edição da aguilar não corresponde inteiramente ao conteúdo da edição da globo de 1944 -, seria interessante um cotejo cuidadoso entre ambas, para apurar se eventualmente ocorreu mais alguma omissão.



25 de jun de 2013

hoffmann e poe

o clássico e excelente estudo de palmer cobb sobre as influências de hoffmann em edgar a. poe, disponível aqui.



e a mais do que plausibilíssima hipótese de que o título tales of the grotesque and arabesque tenha derivado do artigo de walter scott sobre hoffmann (1827):




(aliás, ambos parecem igual e sinistramente alucinados...)